• Braga & Lopes Advocacia

Trabalhador exposto a ruídos pode ter direito a aposentadoria especial




É comum a seguinte situação: o segurado trabalhou exposto a ruídos durante longos períodos e, ao solicitar sua aposentadoria tem seu benefício indeferido pelo INSS. O órgão indefere o benefício sob o fundamento de que os EPI’s utilizados pelo trabalhador afastaram os prejuízos a sua saúde, e portanto, não haveria contagem de tempo especial.


Contudo, o Supremo Tribunal Federal já pacificou seu entendimento no sentido de que, no caso específico dos ruídos, ainda que haja a declaração do empregador no PPP de que os Equipamentos de Proteção Individual são eficazes, tal período deve ser computado como especial.


Sendo assim, mesmo com utilização dos EPI’s, caso a intensidade dos ruídos ultrapasse o limite estabelecido pelo Decreto 4.882/2003 (atualmente 85 dB*), o tempo de serviço deve ser computado para fins de aposentadoria especial ou convertido para comum.


Isso significa que mesmo o cidadão que não tenha trabalhado 15, 20 ou 25 anos completos em atividades especiais pode pedir a conversão desse período, aumentando-o em até 40%, o que reduz significativamente a espera pela aposentadoria.


Dessa forma, mesmo com o indeferimento pelo INSS, o segurado pode acionar o judiciário para ordenar que o INSS reconheça seus direitos.


Quer saber mais? Tem alguma dúvida? Entre em contato com nossa equipe através do nosso telefone, chat, whatsapp ou email.


*Houveram algumas alterações no limite da intensidade de ruídos para fins de aposentadoria especial antes de 2003. Caso queira mais informações, entre em contato nos nossos canais de atendimento.

(31) 3566-3196

(31) 99349-7477 Whatsapp: (31) 99201-2308

  • whatsapp-png-branco-png-image-286994

©2018 by Braga e Lopes Advocacia e Consultoria Jurídica. Proudly created with Wix.com